Entrevista – Cristian Peticov

Entrevista – Cristian Peticov

06/06/2018 0 Por JC

Entrevista Cristian Peticov

Resultado de imagem para CRISTIAN PETICOVEnvolvido em automobilismo desde 1981, com 11 anos de idade (kart);

– Foi o aluno mais rápido de sua turma na Escola de Pilotagem Interlagos, em janeiro de 1994;

– Iniciou-se oficialmente no automobilismo nacional no Campeonato Brasileiro de Fórmula Fiat em 1997, conquistando importantes resultados;

– Em 1998 tornou-se instrutor de pilotagem na mesma escola em que se formou, atuando até 2003;

– Atuou como instrutor em seguidos track days em Interlagos – Interlagos Porsche Day e São Paulo Ferrari Day, entre 2001 e 2003;

– Coordenou eventos pelas empresas GoodYear e Firestone, como testes e lançamentos de pneus;

– Foi piloto de intervenção rápida em 4 etapas da Formula 1 Brasil, a convite do Dr. Dino Altman;

– A partir de 2008 volta ao cenário do kart;

– Em 2011 passa a ser instrutor oficial de pilotagem de kart pelo Instituto Barrichello Kanaan;

– Em 2014 cria e desenvolve o canal de vídeo e conteúdo Pista e Pilotagem, obtendo até hoje mais de 900 mil visualizações de vídeos até hoje;

– Criador do primeiro curso de pilotagem de kart amador
online no Brasil (2014), “Os 6 Segredos do Kart”;

– Em 2017 passa a ser instrutor certificado para aulas de
kart através da Escola Brasileira de Kart – única escola
oficial CBA no país
;

 

Quando foi seu primeiro contato com simuladores?

Ixi, isso vai relevar a minha idade, kkkk! Na verdade desde que me lembro de ser gente, sou apaixonado por corridas… No Atari (videogame dos anos 80) eu comecei jogando um precursor do enduro, chamado “night driver”… mesmo sendo mais um game do que simulador, lá foi o meu primeiro contato. Aí passei pelos famosos (do meu tempo) Test Drive 1, 2, 3… Grand Prix 1, 2, 3, 4, etc… joguei muito o primeiro Need for Speed (que era bancado pela antiga revista Road & Track), etc… Quando finalmente vieram os volantes para PC, eu “fissurei” no TOCA Racing, e acredito que foi o primeiro jogo voltado pra simulação realista. Joguei o TOCA 1, TOCA 2… A vontade era tão grande, que eu e mais 2 amigos fazíamos até apostas pra ver quem batia o recorde de quem na pista, rsrsrs… Numa época em que jogos por rede ainda estavam só começando… O que fazíamos era salvar uma ghost lap de cada piloto, e aí importávamos pra dentro da máquina do amigo pra comparar. Uma época muito legal, que deixou saudade! E os meus amigos que jogavam comigo, até hoje são pilotos de kart federados, rsrsrs….

Como foi sua passagem pela equipe Sim-Force e a conquista do título por equipes?

Logo que comecei no Youtube pra falar de pilotagem, eu estava “procurando assuntos” pra divulgar no canal… aí procurei de tudo, desde dicas de pilotagem, test drive de carros, simuladores, explicação sobre peça e funcionamentos, etc.  Então comecei a acompanhar a equipe Grip, e um dos pilotos que veio de lá foi o Bruno Peres, que logo que fundou a Sim Force, me chamou pra ser parceiro. Nossa amizade é muito bacana desde o começo, então entrei na Sim Force com a perspectiva de arrumar um simulador e um volante pra treinar e ajudar a equipe. Logo nesse primeiro ano com a Sim-force, a amizade entre os pilotos, mesmo que se conhecendo apenas virtualmente foi muito bacana E isso gerou alguns desafios entre a gente (tínhamos 3 “equipes” internas), e isso foi algo que nos impulsionou a treinar mais. Com a ideia de constância na pista como elemento chave pra conseguir bons resultados, o treino foi fundamental. Lembro de uma corrida que meu intervalo de tempo entre a melhor e a pior volta foi de apenas 4% (96% de constância, segundo o rFactor). Eu não era o mais rápido, mas era um dos mais constantes. E isso foi um dos fatores que ajudou a equipe a pontuar sempre!

Corre em algum simulador atualmente?

Por causa de compromissos e correria do dia a dia, precisei parar um pouco com os simuladores (até esposa começou a reclamar, kkkk). E como meu volante começou a dar problemas de fadiga e desgaste de peças, estou em um tempo de “pitstop” dos simuladores, rsrsrs…. Mas em breve vou voltar!

Qual sua visão sobre o e-sports ?

Eu acho muito bacana o crescimento do e-sports. Por ser formado em marketing, adoro ver as fórmulas que outros youtubers estão divulgando seu trabalho, e é impressionante a audiência de quem usa e divulga os simuladores. Isso sem falar nas campanhas das fabricantes, da evolução e propaganda dos jogos, simuladores, etc. Os campeonatos crescendo mundialmente, servidores pra jogadores de qualquer lugar do mundo… isso é sensacional, e vai sempre evoluir.

Selecionamos a pergunta de nosso seguidor : Felipe Ahrndt: “Cristian para você a simulação é um dos melhores treinamentos para correr em uma competição?”

Felipe, o melhor treino pra correr é entrar na pista e andar, andar e andar… E a cada parada, ter um chefe de equipe ou coach pra te direcionar e apontar pontos de melhoria. Porém, o custo disso no automobilismo e kartismo real é altíssimo e muito restritivo. Então, o simulador hoje, é sem dúvida a melhor opção se você não tiver condições de ir pra pista no mundo real. Pra conhecimento de pista (e pra decorar o traçado), pra entender as referências básicas de pontos de frenagem, etc… O simulador agrega muito mesmo.

Qual um erro  comum dos pilotos iniciantes?

Essa é fácil: Overdriving! Tanto no real quanto no virtual, exagerar no ponto de frenagem (deixando-o tardio demais) é um dos erros mais comuns que são cometidos…

 

Alguma recomendação ou dica para os pilotos virtuais?

Sim: treino e “benchmarking”. Treino é obvio: quanto mais decorada e na mão a sua pista estiver, melhor pra você. Benchmarking: ache quem é o melhor, ou mesmo qual setup é o melhor. E então analise e faça igual ou ainda melhor!

 

A Revista Simuladores Brasil agradece a entrevista Cristian Peticov !!!

Facebook Comments